Buscar

#13º de 777 ✅ A CRUZ NÃO DOEU

Atualizado: 2 de Abr de 2018

A visão religiosa míope ‘II Coríntios 3 e 4’, encoberta com véu, nunca vê. O que o Evangelho, a História da Cruz, O ESPÍRITO PAI e FILHO que feito carne “VERBO – MACRO CONSCIÊNCIA ENCARNADA” nos revelou, profundidades não conhecidas e descobertas por quem é religioso...


A ideia da Cruz sempre está vinculada a dor dos espinhos, da cruz, dos pregos, do martírio, do sacrifício, da páscoa, da ‘santa ceia’, do corpo hóstia e do sangue vinho. Mas sofrer dor, muitos sofreram e ainda sofrerão.


O que realmente mais doeu em JESUS ‘YAHSHUA’?


A dor da humilhação, da injustiça, da ingratidão e do abandono, é metafísica, mais aguda, mais profunda. Esta sim, ninguém jamais passou, tamanha 'INGRATIDÃO'...


A dor da ingratidão foi maior porque ali foi O PRÓPRIO CRIADOR e não um filho enviando para resolver o problema... Nem um pai envia seu filho para resolver um problema que ele fez.


Muitos passarão pela prova da lealdade como Pedro. Muitos abandonaram o Evangelho, e na Grande Tribulação irão ter a mesma atitude de Pedro, por causa do medo da exclusão social...


Por que a Grande Tribulação vai doer tanto? Para depurar.


Na Grande Tribulação será o mesmo cenário da cruz...


Hoje ser cristão é inclusivo, alguém pode até dizer: “Estou disposto a ser queimado, degolado, assassinado, preso”, mas na Grande Tribulação o problema não estará no facão, na espada, no fogo, nos instrumentos de tortura, nas prisões...


O problema é que repetirá o mesmo cenário da cruz. O cenário majoritário da humilhação, do vitupério. Muitos nos dias atuais estão como Pedro, com a espada na mão e dizendo: “Estarei lá morrerei por ELE”, mas o que vai acontecer na Grande Tribulação é a ‘exclusão social’.


Ser cristão hoje é ser ‘incluído’, mas na Grande Tribulação, significará ser ‘excluído’ da sociedade. Por isso a história da marca do sinal do antimessias, muitos não entendem o porquê desse sinal. É porque a marca significará a exclusão social.


Houve uma época que andar com JESUS era louvável, tinha apoio da multidão, mesmo que contra o sistema de Anás, Caifás e de Alexandre... Pedro estava representando as pessoas que se afastaram e negaram ELE, a partir do momento que seguir JESUS passou a ser uma exclusão, que seguir alguém que infringia a Lei, era ser um criminoso, procurado pela guarda do capitão do templo, por todos os rabinos, por todo o sistema religioso e político da época... Á partir do momento que andar com ELE se tornou a ser um criminoso, praticamente todos o abandonaram, no final só restaram quatro...



A cruz não doeu diante do ‘desprezo’, do abandono e da ingratidão…


© 2020, by AKEL, fundador da Filosofia EX, since 2012.