Buscar

#23º de 777 ✅ PROTESTANTES tem por PAI MAMOM?

No texto de ‘João 8.32-59’, JESUS refuta veementemente o sistema religioso de sua época. Porque naqueles dias era como nos dias atuais, onde o sistema religioso não entende a linguagem do Evangelho, é um sistema que rouba, mata e destrói...


E a grande maioria dos protestantes, católicos ou espíritas, não conhecem a fundo suas origens, seus pais; Constantino, Martinho Lutero, Calvino, assassinos do nazismo...


Os protestantes votaram em Hitler e colocaram ele no poder. Mas há quase 500 anos, Lutero foi mentor do antissemitismo da violência às frases que ele disse contra os judeus, contra determinadas classes de pessoas pregando o extermínio, a violência, surtiram efeitos devastadores.


Quem é que mata? Os sacerdotes. E quem era Calvino e Lutero? Padres. Lutero morreu padre católico e Calvino um padre protestante, mas nunca compreenderam ‘Mateus 23.8-13’.


Por isso o sistema religioso tem por pai o Diabo, porque foi criado por homens que mentiam, viviam uma mentira, viviam de meias verdades, distorções da verdade, como nos dias atuais.


Ter, Ser e Poder foram o lema de Calvino, Lutero e Constantino.


Constantino é o pai do catolicismo, um homem terrível tão maldoso quanto Lutero, até pior. Já estudamos muito sobre Constantino, mas nesse grau vamos nos aprofundar nos estudos sobre Martinho Lutero, pai de protestantes, que viveu fora do Evangelho.


LUTERO HOMICIDA


O Dr. Dietrich Emme, em seu livro: “Martinho Lutero - sua juventude e seus anos de estudos, entre 1483 e 1505” Bonn, 1983, afirma que Lutero entrou no convento só para não ser submetido à justiça criminal, cujo resultado teria sido, provavelmente, a pena de morte, por ter matado em duelo um colega seu de estudos, chamado Jerônimo Buntz. Daí o seu “medo da morte”. “Então um amigo o aconselhou a se refugiar no convento das Eremitas de Santo Agostinho, que então gozava do direito civil de asilo que o colocava ao abrigo da justiça. Foi aí que se tornou monge e padre agostiniano.”


Esse livro nunca foi contestado e se não é verdade não temos como voltar a 500 anos a não ser o nosso DEUS, imagina alguém que se tornou sacerdote só para fugir da pena de morte por aí, já se vê a quem os protestantes têm como pai, não conhecem o seu pai Lutero! O livro relata:


LUTERO PARECIA TER SE CONVERTIDO - MAS NÃO: Sempre perturbado e contraditório, ele se declara réu confesso em uma prédica em 1529: “Eu fui monge, eu queria seriamente ser piedoso. Ao invés, eu me afundava sempre mais: eu era um grande trapaceiro e homicida” (WAW, 29, 50, 18)


Portanto, Lutero foi réu de um homicídio que cometeu quando era estudante em Erfurt. E segundo os seus biógrafos, o motivo teria sido despeito por ter o seu colega obtido melhor nota nos exames.


LUTERO ÉBRIO E ÍMPIO. Ele o confessa: “Eu aqui me encontro insensato, e endurecido, ocioso e bêbado de manhã à noite... Em suma, eu que devia ter fervor de espírito, tenho fervor da carne, da lascívia, da preguiça e da sonolência”.


SOBRE ORAÇÃO DIZIA: “Eu não posso rezar, mas posso amaldiçoar. Em lugar de dizer ‘santificado seja o vosso nome’, direi: ‘maldito e injuriado seja o nome dos papistas... que o papado seja maldito, condenado e exterminado”. Na verdade é assim que rezo todos os dias sem descanso.


SOBRE O PECADO ele dizia: “Sê pecado, e peca fortemente, mas crê com mais força e alegra-te com Cristo, vencedor do pecado e da morte... Durante a vida devemos pecar.”


SOBRE JESUS CRISTO, afirmava que: “cometeu adultério com a samaritana no poço de Jacó, com a mulher adúltera que perdoou... e com Madalena...”


SOBRE DEUS dizia: “Certamente Deus é muito grande e poderoso, bom e misericordioso..., mas é muito estúpido; é um tirano.”


PARTICIPAÇÃO DE LUTERO NA INQUISIÇÃO PROTESTANTE: Em (1483-1546) exigiu perseguições aos anabatistas, grupo cristão mais radical da reforma, porque, entre outras questões, eles não aceitavam as regras das igrejas evangélicas e divergiam sobre o batismo. A decisão causou expulsão, o encarceramento, a tortura e a execução de milhares de pessoas. Lutero também divulgou textos com duras críticas aos judeus – embora sem maiores repercussões na época, estes escritos acabariam utilizados pela Alemanha nazista, em pleno século XX.


LUTERO SUICIDA. Ele tinha um temperamento extremamente mórbido e neurótico. Depois de sua revolta contra a igreja, a sua neurose atingiu os limites extremos. Estudos especializados lhe atribuem uma “neurose de angústia gravíssima”, do tipo que leva ao suicídio. (Roland Dalbiez, em “Angústia de Lutero”). O suicídio de Lutero é afirmado tanto por católicos como por protestantes. Existe o relato, a referência do seu criado Ambrósio Kudtfeld, que mais tarde se tornou médico, ele registrou biograficamente o que viu e participou no dia do suicídio de Martinho Lutero. O relato do suicídio de Lutero foi publicado em Anversa, no ano de 1606, pelo sensato Sedulius.


No que ele fez contra a idolatria e as 95 teses que vaticinou, nós concordamos, mas as suas frases e antissemitismo de ordem vulgar, não concordamos.


Vale lembrar que Lutero não só afirmava que as ‘boas obras’ nada valem para a salvação como as amaldiçoava. Agora eu pergunto: Tinha Evangelho em Martinho Lutero? Observe de onde surgiu o processo de amaldiçoar hoje muito comum no pentecostalismo. Processo de cobertura espiritual. Veio de Lutero, aliás, muito antes dele...


Portanto ao conhecer a vida de Martinho Lutero pelas pesquisas históricas podemos afirmar que o pai de protestantes foi um homem que viveu fora do Evangelho da Graça.


© 2020, by AKEL, fundador da Filosofia EX, since 2012.